sexta-feira, 24 de março de 2017

A humanidade é o sonho de consumo


Temos pessoas “muito humanas” e temos aquelas que são desumanas. Ser humano não significa apenas pertencer a uma espécie de mamíferos é também um elogio, um estádio do ser considerado supremo, inatingível. Já a etapa”sem um pingo de humanidade” significa estar-se perante uma outra espécie que ainda não foi classificado pela ciência mas que o povo classifica de troglodita ou besta etc.
As pessoas do bem são humanas e as do mal são desprovidos de humanidade. Vejamos uma variada gama sinónimos de humanidaade: Caridade, benevolência, compaixão, etc.  Você classificaria o famoso presidente Trump de “muito humano”?. Das duas uma, o planeta está a ser dominado por não humanos ou então a humanidade negou-se como tal com base no sonho do humano com H maiúsculo, que já não existe (será que algum dia existiu?). Ou somos apenas monstros em crise de identidade?




quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Hoje de manhã e a vida, o relato.


Pela manhã em jeito de bom dia labuta, lá vamos nós.
No momento da saída, à porta, eis o que me soa na RCV:
A música do Kenny G, aquele melódico saxofone apaixonado.
Ai esses momentos em que a imortalidade se manifesta assim,
tal como o abrir de um portal inter-dimensional
que atinge a garganta com um nó e o coração com um bater intenso.
Eu ali imóvel e o bebé ao colo com cara de interrogação. Então?
Queria sair logo, queria ouvi-la até ao fim…
Enquanto isso era bombardeada com imagens daquelas tardes de sábado, da laginha, dos dizeres da moda, passando pela Praça e o Pimm's.
Accionou-se também o arquivo dos imutáveis sorrisos amigos .
A melodia Kennygiana era o hit do Verão, o som confortante do tempo de escola…
Uma espécie de símbolo da inocência mundial daquele tempo...
Enfim… não fiquei até ao fim, mas ainda sinto a diferença que faz uma música dessas no início do dia e na vida inteira.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

“Viver… A carne viva de viver”

A chave parecia um bichinho a saltitar nas mãos escorregadia de Manu. A fechadura, por sua vez, esquivava-se daquele objecto que se aproximava para activar o seu engenho. Acabara de chegar de uma festa de aniversário do Jonas, amigo de infância. A festa estendera-se até ao Syrius, onde dançou até amanhecer. Afinal foi apenas uma noitada que ficou para trás levando consigo a promessa de tempo eterno escondido algures numa gaveta flutuante irremediavelmente invisível. Manu, de personagem imponente da noite, passa a mero deslocado que acabou de ser cuspido para ambiente diurno, caseiro e familiar. Entra em casa esmagado pelo peso da luz do Sol. Casa, esse lugar que emana uma beatitude aos olhos de Manu que observa tudo à volta embriagado de tanto real. Esgueirou-se pelo quarto diariamente nocturno e o seu corpo em metamorfose despiu as vestes de criatura da noite. Despertou-se com o tilintar dum feixe de luz do sol que entrara por entre as cortinas, tentando passar despercebido, como acontece com a maioria dos espectáculos naturais do nosso quotidiano. Um feixe de luz em jeito de sinal divino, pensou Manu, era mesmo disso que precisava, um pedacinho amigo do astro solar em todo o seu esplendor. Não tardou, sentou-se na cama, e sentiu o conforto desse novo pensamento, uma espécie de certeza conformada da finitude da vida que é bela nas suas supostas contradições e é também uma dádiva. Afinal, o nocturno o diurno são o mesmo mundo, tal como o bem e o mal, o ying e o yang; as raízes da mesma árvore …


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Mindelo e o Mar


 Mindelo e o Mar

Introdução
O objectivo deste trabalho não consiste num exercício de crítica literária mas sim numa análise etnográfica, os textos literários são usados como se fossem relatos fornecidos por informantes. As obras consultadas são as autobiografias: “Lombianinho” de Sabino Lino Évora, uma narrativa passada nos anos 50 “Capitania, Romance de S. Vicente de Cabo Verde” de Joaquim Saial, uma narrativa passda nos anos 60 e as novelas de António Aurélio Gonçalves no volume intitulado “Terra da Promissão”.
 “Para a Antropologia, o texto literário pode e deve constituir um elemento de reflexão sobre realidades vividas mas é, sobretudo, um elemento útil na análise das construções sociais tecidas em torno de vivências, reais ou imaginadas.” (Lassave, 2002:37),
 “Do mesmo modo que o informante transmite ao antropólogo a sua percepção da realidade, a literatura não se limita a reproduzir ou a reflectir a realidade de forma passiva. A literatura é sempre uma representação do real” (Eagleton, 1978:66)
“Na linguagem que utiliza, pela escolha de temas e pelas formas de os abordar, o autor transporta para o texto o universo cultural em que se insere.” (Archetti, 1994:17)
O ponto I do trabalho consiste numa breve caracterização da História do povoamento e as vicissitudes socioeconómicas da ilha de São Vicente. O ponto II aborda o legado cultural dos ingleses na ilha. O ponto III trata do estudo dos mecanismos informais de diferenciação de classes. O Ponto IV consiste num numa análise da emigração e as relações sociais. O ponto V ficou reservado à caracterização do edifício da Capitania Velha.







I - Mar e sociedade mindelense – Breve incursão Histórica
As tentativas falhadas do povoamento de São Vicente, revelam a premonição duma ilha fadada a viver em crise. O tempo áureo do Porto Grande, deixou na alma do sãovicentino a inscrição do carácter fugaz de “prosperidade económica”. Talvez, por isso, a afamada atitude de “gastar tudo o que tem sem pensar no dia de amanhã.”
Em 1820, a ilha contava com uma população de 200 pessoas que viviam em condições precárias. Em 1838, o Ministro das colónias assinou um o Decreto Régio que mandava criar uma povoação denominada de Mindelo. Em 1850, uma lufada de ar fresco se fez sentir na economia da ilha, com a instalação das companhias carvoeiras. Em 1958 Mindelo foi elevado a categoria de Vila de acordo com o Decreto Régio de 29 de Abril de 1858, BO 29/1858. [1]
No tempo áureo do Porto Grande, a maior parte da população vivia do trabalho das carvoeiras. O aumento populacional em São Vicente (De 3717 em 1879 a 6561 em 1889, aumento de 75% em 10 anos) deu-se por causa da fome nas outras ilhas e as consequentes migrações para São Vicente. A nível da saúde pública, em 1877 o abuso do álcool constituiu o maior problema social. Em 1905 dá-se a primeira crise grave do Porto Grande, os rendimentos de São Vicente diminuíram consideravelmente. Mais uma vez a crise económica instala-se na ilha. A partir dos anos 30, com a grande Depressão, o Porto Grande conheceu um declínio sem precedentes e em 1958, as companhias carvoeiras deixaram a ilha.[2]
“São Vicente viveu embasbacado no seu porto. Era fonte de vida. Eteno. Nada poderia enfraquecer a sua pujança. É natural: No meio da prosperidade, não nos lembramos que tudo acaba. Ele – o porto – ainda lá está. Mas a navegação que trazia que trazia vida desviou-se para outras paragens. O paquete passa largo; tem frigoríficos bem fornecidos; não compra da Ribeira de Julião, não alimenta o comércio, não deixa dinheiro. Os lavradores e desanimaram, retiraram-se.” (Gonçalves, 1998:78)


“Talvez ainda vejamos a Ribeira de Julião reverdecer. São Vicente é terra de mudanças bruscas, de surpresas.” (Gonçalves, 1998:161)
II- Mindelo - O legado cultural dos ingleses – Anos 50
Aos domingos, por influência dos ingleses, muitos jovens rapazes usavam fato e calçado brancos para irem à Praça Nova ouvir música. Todo o mindelense tinha o seu fato branco. Gostavam de trajar de branco. (Évora, 2009: 133)
 “De manhã, antes de entrar no Banco, observava os muitos estivadores que aguardavam as lanchas e os rebocadores no cais para encher de carvão a “Quintalona”, destinada aos carvoeiros. Eram semanas a abastecer os porões dos carvoeiros. Eram semanas e mais semanas a abastecer os porões dos carvoeiros que, quando regressavam a casa, nem aa família os conseguia identificar. Só lhes reconheciam os lábios. A cabeça. P tronco e os membros, roupa interior e exterior, ficava tudo coberto do pó da safira negra do carvão de New Castle e Cardiff.” (Évora 2009: 134)
“Muitos aprenderam a falar inglês, enquanto praticavam desporto. Toi, Óka, João Dóia, Zé Figueira, Dufega, Damatinha e muitos outros, costumavam jogar na Salina e no Campo da Fontinha com equipas inglesas. À tarde, de calções brancos, saco às costas, paus e bolas brancas, iam jogar golfe. Estavam sempre alegres, ouvindo as pancadas dos paus nas bolas brancas que eram empurradas para os orifícios no solo de Lazareto. Também jogavam Ténis e Criket em Chã de Cricket.” (Évora, 2009: 135)








III - Classes sociais - mecanismos informais de diferenciação
a)      Inauguração da Praça Nova
No seguimento da assinatura do decreto régio pelo Ministro e Secretário d’ Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar de Portugal (BO 3/1892), que alterou a configuração urbana de Mindelo. A construção de um depósito de carvão no Porto Grande de modo a responder à concorrência que os portos de Dakar e Canárias. A Praça Nova foi construída em substituição da Praça Dom Luiz que foi a demolir para funcionar como depósito de carvão. [3]
A Praça Nova inicialmente ficava longe do centro da cidade para o desgosto da população. Entretanto pouco tempo depois ela passou a ser um espaço de excelência para a convivência da população, portanto palco de manifestações de trocas sociais simbólicas.
“Aos Domingos à noite, das vinte Às vinte e duas horas, a Praça Nova estava sempre repleta de gente bem trajada, inclusive militares, ouvindo a Banda Municipal, que ensaiara durante a semana com o maestro Sr. Reis. Os músicos tinham uma farda bonita: casaco preto com botões dourados, camisa branca, calças brancas, gravata preta, sapatos pretos e boné de oficial. Havia três grupos na Praça Nova: O 1º grupo eram aqueles que andavam calçados e podiam e podiam entrar no meio da praça para ouvir música e dar voltas; o 2º grupo os que ficavam sentados nos bancos ouvindo música e conversando e o 3º grupo, o das pessoas descalças que não podiam entrar para não se misturarem com os que andavam calçados. Davam voltas no passeio anexo à praça. Os policias cumpriam rigorosamente, sempre olhando para os pés dos passeantes da Praça Nova.” (Évora, 2009:57)
 “ – É verdade, Guida! – Em São Vicente, quando se fala em “gente branca”, normalmente refere-se a pessoas ricas. Um exemplo é o Nhô Casimiro. Ele queria ser sócio do Grémio Recrativo do Mindelo, mas não aceitaram a proposta, simplesmente porque ele é preto, apesar de ter dinheiro e andar engravatado. Em, resposta, Nhô


Casimiro, para mostrar à Direcção do Grémio que ele também era “gente branca”, mandou buscar um automóvel último modelo, o mais fino jamais visto em São Vicente, até agora.” (Évora, 2009:73)
b)     Contratação de marinheiros (anos 60)
“Ainda hoje me pergunto como se sentiriam os marinheiros cabo-verdianos, ao serem tão discriminados em relação aos seus camaradas europeus. As diferenças entre uns e outros começavam na preparação básica. Para se ser marinheiro da Capitania dos Portos, profissão aliás ambicionada por muitos – e que em época de abertura de vagas dava origem a longas filas de espera – bastava ter cumprido o serviço militar obrigatório e estar na posse de alguns conhecimentos náuticos. Adquirido o lugar, a aprendizagem fazia-se à custa da experiência diária, sem qualquer tipo de instrução organizada – consequentemente, quase sem promoções ou carreira. Assim, exceptuando a meia dúzia de polícias marítimos que por inerência do cargo eram obrigados a saber legislação marítima e os dois pilotos, cuja actividade não se compadecia com desconhecimento de fundos, correntes e marés, a preparação da marinhagem nada tinha a ver com aquela de que os colegas provenientes da mãe-pátria eram detentores, feita nas escolas da Armada, no Alfeite ou em Vila Franca de Xira. Entre estes contavam-se um cabo escriturário, um sinaleiro, três telegrafistas, um electricista e um artilheiro, para além do cabo-de-mar, cuja a especialidade era a manobra, num conjunto pouco numeroso que nunca atingiu a dúzia de elementos, pelo menos até finais de 1965” (Saial, 2001:33)








IV- Emigração e relações sociais
a)      Anos 50
“As várias gerações de cabo-verdianos na América continuam cultivando a cultura cabo-verdiana. O cabo-verdiano na América continua ligado á terra mãe e À família. Escrevem, enviam dólares, roupas géneros…Procuram por todos os meios ajudar a terra. Quando visitam as ilhas de férias são distinguidos e chamados de “americanos”. Alguns homens avançados em idade casam com jovens, enquanto os rapazes fazem casamentos ilícitos com mulheres idosas para garantir a entrada na América.” (Évora, 2009:109)
b)     Anos 60
“Na década de sessenta, foram abertas as portas da emigração para a Europa, principalmente Holanda, Alemanha, Inglaterra e Grécia. A Rainha Juliana da Holanda mandou abrir diques da amizade, recebendo marinheiros cabo-verdianos. O testemunho do marinheiro cabo-verdiano foi o de Homem Honrado, trabalhador, ordeiro. As campainhas de navegação holandesa davam prioridade ao marinheiro casado. Tinham melhores ordenados, melhores garantias de trabalho. Eduardo queria embarcar. Lombianinho aconselhou-o a casar antes de partir para Holanda. A movimentação de papeladas no Registo Civil e matrimónios nas ilhas foram muitos. Em pouco tempo o marinheiro cabo-verdiano ficou conhecido na Europa e os armadores tinham interesse em tripular as frotas marítimas marítimas com cabo-verdianos.” (Évora, 2009:111)
“O São Vicentino soube retribuir essa amizade, através de nomes atribuídos a ruas. Exemplo: Avenida de Holanda”. A avenida que abrange Monte Sossego e Chã de Cemitério, os lindos prédios a honrar a soberana simpática, a rainha Juliana, pela amizade que sempre dispensou a cada emigrante, nos barcos e terras da Holanda.“Um rapazinho gritava na rua de Lisboa “Olál ta bai, Holandes de cóld d Pêche! Holandês de Cóld Pêche”_ Há muitos Holandeses que construíram e continuam a construir lindos prédios e estabelecimentos comerciais nas nossas ilhas, principalmente em São Vicente, Santiago e Sal. Outros não foram tão felizes nas suas poupanças.” (Évora, 2009:113)




V - Capitania dos Portos (Torre de Belém)
O edifício da Capitania dos portos, foi construído entre 1918-21. Os anexos foram construídos em 1937. O edifício foi usado pela Capitania até a construção do novo edifício do Comando Naval na Avenida Amilcar Cabral em 1961-67. Nos meados dos anos 80 funcionou como instalações da empresa pesqueira SCAPA.[4]
SCAPA foi um organismo público criado em 1977 que se encarregava de apoiar a pesca artesanal, o mesmo foi extinto durante a vigência do Plano Nacional de Desenvolvimento (1986-1990) e simultaneamente foi criado o IDEPE. A SCAPA actuava na comercialização de pescado e no fornecimento de artes e apetrechos de pesca.
Funcionamento da Capitania dos Portos Torre de Belém - Anos 60
“O pátio e os anexos constituíam um complexo moradia dos capitães mor da Capitania. Ainda nos anexos do pátio funcionava a Secção de Justiça, departamento responsável pelas investigações relativas a crimes ou litígios de âmbito marítimo.”[5]
“Nos anos 60 edificou-se um anexo que funcionou como o Arquivo dos Serviços Provinciais de Marinha.”[6]
“Debaixo da casa das ferramentas e do nível do solo, ocupando todo o quadrilátero da Torre, ficava o porão, antigo cárcere. Esse espaço funcionou como uma prisão temporária (de algumas horas a dois dias), relativamente a casos de prevaricação que posteriormente eram encaminhados para a Polícia de Segurança Pública ou para Fortim Del Rei.”[7]


Pisos e funções[8]
Rés-do-chão
- Secretaria dos Serviços Provinciais de Marinha
- Gabinete do Capitão dos Portos
1º Andar
- Defesa Marítima
- Rádio Naval – (Funcionários telegrafistas)
- Paiol de Munições
- Alojamento de marinheiros
2º Andar
- Departamento de Meteorologia
3º Andar (Acesso – Escada de Caracol)
- Posto dos Sinaleiros – marinheiros que tinham como função comunicar através de sinais de bandeiras com navios que entravam e saíam do porto.








BIBLIOGRAFIA
Obras de Literatura de ficção Cabo-verdiana
ÉVORA, Sabino Lino, (2009), Lombianinho, Mindelo, edição do autor.
GONÇALVES, António Aurélio, (1998) “Reinaldo e suas cortesãs”, in Terra da Promissão, Praia, Banco de Cabo Verde
SAIAL, Joaquim (2001), Capitania, Romance de São Vicente de Cabo Verde, Lisboa, Notícias
Obras referenciadas

ARCHETTI, Eduardo P. (1994), Exploring the written Anthropology and the multiplicity of writing. Oslo, Scandinavian University Press

EAGLETON, Terry (1978), Marxismo e crítica literária, Porto , Afrontamento

LASSAVE, Pierre, (2002), Sciences Sociales et Littérature, Paris Presses Universitaires de France

Outros:

Linhas Gerais da História do Desenvolvimento Urbano da Cidade do Mindelo, Fundo de desenvolvimento Nacional- - Ministério da Economia e das Finanças, Praia








[1] Linhas Gerais da História do Desenvolvimento Urbano da Cidade do Mindelo, Fundo de desenvolvimento Nacional - Ministério da Economia e das Finanças, Praia (p.19-27)
[2] Idem (p.31-41)
[3] Linhas Gerais da História do Desenvolvimento Urbano da Cidade do Mindelo, Fundo de desenvolvimento Nacional- - Ministério da Economia e das Finanças, Praia (p.157)

[4] Linhas Gerais da História do Desenvolvimento Urbano da Cidade do Mindelo, Fundo de desenvolvimento Nacional- - Ministério da Economia e das Finanças, Praia (p.137)

[5] SAIAL, Joaquim 2001, Capitania, Romance de São Vicente de Cabo Verde, Lisboa, Notícias (p.23-31)

[6] Idem
[7] Ibidem
[8]  SAIAL, Joaquim 2001, Capitania, Romance de São Vicente de Cabo Verde, Lisboa, Notícias (p.23-31)